2017-08-25 14.37.29

IMPRENSA | Nova Rubrica “Entre Tachos & Panelas” – A Volta ao Mundo na Gastronomia – Portugal!

25 de Setembro, 2017

A Volta ao Mundo na Gastronomia!

– Portugal –

2017-09-25_05Esta semana fechamos a nossa volta Gastronómica por Portugal com Sabores & Tradições da Região Autónoma da Madeira,

Deixe-se levar por estes sabores e aromas vindos desta pérola no meio do Atlântico e tenha uma experiência única na cozinha!

Pronto para embarcar nesta aventura mais uma vez? Então venha comigo dar a volta ao mundo na gastronomia!

A Ilha da Madeira tem, assim como os Açores, pratos típicos e regionais que a distingue. Sabores e Tradições que ainda hoje se mantêm.

Um desses pratos é o famoso Bolo do Caco.

Reza a história que o Bolo do Caco (que não é um bolo mas sim um pão que acompanha todas as refeições madeirenses) ganhou este nome pois seria um pão confeccionado em cima de um caco de basalto.

“Muitos forais quinhentistas decretavam a proibição de construir fornos particulares. Esta proibição levava a que a população fosse cozer o pão aos fornos que pertenciam ao Rei, aos grandes senhores ou às ordens religiosas, tendo que pagar por isso. O Bolo do Caco, por ser um pão que não necessitava de forno para ser confeccionado, podia ser produzido por toda a população, podendo ser confeccionado nas casas mais humildes, sem necessidade de se pagar pela sua cozedura. O facto de não precisar de forno generalizou o seu fabrico peculiar.

Hoje em dia, é frequente encontrarmos o Bolo do Caco a ser cozido em cima de uma chapa ou de uma pedra, sendo este facto o que o distingue do pão tradicional. A junção de batata-doce na confecção da massa é outro dos aspectos distintivos deste tipo de pão.”

Existem imensas receitas e devido a tal nunca conseguimos encontrar um bolo do caco igual na Ilha da Madeira.

Bolo do Caco

500 g de farinha de trigo T65

250 g de batata-doce assada (pesada sem a pele)

20 g de fermento de padeiro fresco

340 ml de água morna

10 g de sal fino

Dissolva o fermento em 150 ml de água morna. Desfaça a batata-doce com um garfo de modo a obter um puré. De seguida coloque a farinha numa taça com o sal e a batata-doce. Regue a mistura com a água em que se dissolveu o fermento. Mexer.

Acrescente mais um pouco de água e comece a amassar.

Amasse durante 8 a 10 minutos. Ir adicionando a restante água aos poucos, de modo a que a farinha a vá absorvendo.

Tape a taça com um pano. Guarde em local abrigado de correntes de ar e deixe levedar durante 1 hora.

Forme 12 bolinhas, com a ajuda de um pouco de farinha com aproximadamente 90 g cada. Coloque as bolinhas numa superfície polvilhada com farinha e espalme de modo a fazer pães redondos achatados, com mais ou menos 3 cm de espessura. Tape com um pano e deixar descansar durante 10 a 15 minutos.

Levar uma frigideira anti-aderente ao lume sem gordura, quando estiver quente colocar dois a três pães (conforme o tamanho da frigideira). Agarre a massa com cuidado para não perder o ar. Deixe cozer de um lado e depois vire.

Sou da opinião de que, para um aspecto e sabor mais a pão e não muito “massudo”, reduza a quantidade de batata-doce e ajuste na água.

Sirva morno com manteiga de alho e ervas. Eu gosto ainda de abrir e torrar. E para mais dicas consulte o meu site.

2017-08-25 14.37.17

Poncha

Bebida muito emblemática da Ilha da Madeira.

A tradicional chamava-se Poncha à Pescador, pois foram os pescadores que a inventaram para ser bebida no alto mar para se aquecerem.

É mexida com o “pau da poncha” (apesar de não ser este o nome original…), essencial para dar a suavidade a esta bebida.

Feita com aguardente de cana, sumo de limão e açúcar, reza a história que cura e livra de qualquer gripe, constipação ou maleita.

Hoje em dia, aquece pescadores e não só! É algo que já viaja pelo mundo inteiro.

Já há várias modificações em relação à original, nomeadamente a troca do açúcar pelo mel e a adição de outros sabores como a laranja ou o maracujá.

Já podemos comprar feita, mas eu tenho a minha versão que está super aprovada!

330 ml de sumo de limão

330 ml de aguardente de cana

4 a 5 colheres de sopa de mel

Coloque num jarro a aguardente e o mel e mexa com o “pau da poncha”. Vai começar a formar uma espuma.

De seguida adicione o sumo de limão e continue a bater. Prove para ver se está a gosto. Há quem diga que prefere mais forte… Há quem diga que prefere mais doce.

Sugiro que guarde no frigorífico e consuma fresco. Cuidado com as doses… Moderação é a palavra-chave!

Veja mais receitas regionais da Ilha da Madeira no meu site.

2017-09-22 08.23.25

Muito mais haveria para contar e para experimentar. Muito ficou por dizer da Gastronomia Portuguesa. Sabores e ingredientes únicos que temos, e que deveria de ser sempre a nossa primeira escolha!

Cozinhe na sua simplicidade e seja genuíno na sua cozinha. Mas sempre com o seu toque pessoal! Pois o que interessa é cozinhar com Amor! E fazer as coisas SEMPRE ao nosso gosto.

Inspiração do bolo do caco em www.cincoquartosdelaranja.com, http://originalcaco.com/caco-tradicional/,

Perdeu a semana passada? Siga no meu site estas e outras receitas assim como mais ideias em www.chezsonia.pt

Não perca a rubrica “Entre Tachos & Panelas” da próxima semana!

Vamos continuar a dar a volta ao mundo na gastronomia – cada semana uma cozinha.

Comentários

Newsletter

Receba novidades no seu email! Grátis :)

Desejo receber notícias
Aceito os termos, condicoes e a política de privacidade